Mesmo sem celular, limpador de ônibus devolve 5 aparelhos aos donos.

zelador

A nossa história de gratidão de hoje é daquelas que inspira qualquer um a fazer deste país um lugar melhor de se viver. Nossa inspiração, então, é o limpador de ônibus José Maria, que deixa bem claro quais são seus valores e não prova que seu caráter não está a venda.

Natural de Limoeiro do Nortno Ceará, José veio tentar a vida em Fortaleza, aos  48 anos por falta de oportunidades em sua cidade. Com o salário que ganha, o trabalhador  ainda não tem condições de possuir um telefone celular.

“Eu sou do interior, aqui eu moro só com minha esposa. Tá com um ano e seis meses que chegamos em Fortaleza, lá tava meio ruim de emprego e um amigo me chamou para trabalhar aqui”, relata. Em Limoeiro, José Maria trabalhava dirigindo trator e operando máquinas.

O último aparelho encontrado custa mais de R$ 1.500, superando o valor da remuneração mensal que o funcionário recebe. Todos os dias, ele trabalha na limpeza dos ônibus da Capital até 3h da manhã. Após ganhar repercussão nas redes sociais, muitos vizinhos e colegas de trabalho reconheceram o valor da sua atitude.

“No dia seguinte eu ainda achei uma bolsa e fiz a mesma coisa, levei para o setor encarregado. Quando achei o celular, vi que alguém estava ligando, mas eu não sabia atender”, revela.

O trabalhador conta que é comum as pessoas esquecerem coisas nos ônibus, geralmente, itens de pouco valor como um guarda-chuva. Todos os objetos encontrados por José Maria são levados para o setor de achados e perdidos.

Quando perguntado se sua atitude poderia ser vista como um exemplo, José Maria é enfático. “Eu me sinto feliz, porque você tá devolvendo algo que é da pessoa. Imagina perder tudo que tem ali? Então, eu vejo como exemplo sim, fica o exemplo pros meus colegas de trabalho”, finaliza.

Com informações de Tribuna do Ceará

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *