Grupo Gratidão leva mais de 4 toneladas de alimentos para Viçosa

viçosa do ceará

No segundo final de semana de fevereiro, o Grupo Gratidão (grupo de amigos que fazem ações sociais) subiu a serra para distribuir mais de 500 cestas básicas, roupas e brinquedos para famílias carentes de Viçosa do Ceará.

Foram dois de entrega, muita emoção e aprendizado. São realidades bem distintas, são famílias muito carentes, não só de alimento, mas de abraço, carinho e um pouco de atenção.

Por que Viçosa do Ceará?

Alguns membros do Grupo já tinham realizado uma ação na cidade há 4 anos atrás. Mas, como sabíamos que lá ainda  existe muita pobreza, resolvemos retornar a essa cidade de gente muito simples e acolhedora.

Para quem conhece a Viçosa, pode até parecer que a população é bem assistida, afinal o centro da cidade é bem agradável, clima ameno, com praças limpas e bem cuidados, muitos patrimônios tombados.

Mas andando alguns poucos quilômetros à dentro podemos ver outra realidade totalmente diferente, o que nada tem a ver com aquele centro bem cuidado. São pessoas literalmente esquecidas, e muitas vezes, sem o mínimo necessário para VIVER.

Como foram os preparativos?

cestas básicas

A Ação para Viçosa do Ceará começou a ser organizada em dezembro de 2018. Todos os membros do grupo se uniram para arrecadar doações de todo tipo. Roupas, brinquedos e dinheiro para a compra das cestas.

A meta, desde o início, foi ousada: 500 cestas básicas para 250 famílias da região. E com muito esforço de todos, conseguimos ultrapassar o esperado. Mas mesmo assim, sabíamos que não era possível atender a todas as famílias que precisavam.

Nesta ação não foi possível arrecadar alimentos, devido à perecibilidade. O grupo optou por comprar as cestas a um valor de R$ 25,00 cada. E, assim, não teria perigo de estragar ou umas famílias serem mais beneficiadas que outras.

Como foi organizada a Ação?

Há 348 km de Fortaleza e 5 horas de viagem, finalmente chegamos no nosso destino. Lá em Viçosa, armazenamos todas em um sítio de um voluntário. Ainda na sexta-feira, dia 8, fizemos a entrega de 38 cestas para algumas famílias próximo ao centro.

 

WhatsApp Image 2019-02-08 at 20.34.25

O sábado começou bem cedo. Logo partimos para outras localidades próximas ao centro, como a Comunidade do Arame e Comunidade do Caranguejo. São famílias que, muitas vezes, vivem em áreas de risco, convivendo com esgoto a céu aberto e condições insalubres.

Com algumas entregas, nós precisávamos ser mais rápidos para não gerar tumulto, mas com outras, nós podemos dar atenção, carinho, abraço e o nosso tempo, de verdade.

Pudemos ouvir e entender suas angústias de uma vida sofrida, mas também pudemos ser contagiados com a alegria de quem é cheio daquilo que dinheiro nenhum no mundo pode comprar.

Dentre todas as casas e famílias que tivemos o prazer de ajudar, teve uma que chamou mais a nossa atenção. Nós conhecemos a casa da Maria, uma menina de apenas 15 anos, mas que visivelmente carrega um peso muito acima da sua idade.

A Maria estava sozinha em casa, mas vive com os pais, que no momento da nossa visita, não estavam em casa. Uma casa, bem simples, isolada e sem o mínimo do necessário para viver.

A casa dessa família não tem banheiro (tomavam banho em um rio próximo), não tem comida, não tem móveis… Posso dizer que, diante dessas condições, eles estão apenas sobrevivendo nesse mundo. Os olhos da Maria gritavam por ajuda, mas a boca dela pouco falava.

Confesso que não fácil! Não teve quem não se emocionasse diante do que foi visto. Foi uma realidade que nos causou um misto de surpresa, indignação, angústia e desespero porque achávamos que era impossível que alguém ainda vivesse nessas condições, em pleno século XXI.

Com a garganta ainda engasgada e olhos marejados, seguimos viagem. Já eram 18h30 da noite e ainda tínhamos mais duas comunidades restantes e bem distantes.

Foram 20 minutos de descida bem íngreme, numa estrada escura. O nosso último destino foi A comunidade de General Tibúrcio, uma localidade de difícil acesso. Confesso que me perguntava a todo instante: como essas pessoas conseguiam viver assim, longe de tudo?

Mas logo me veio a resposta! A real é que eles são felizes, mesmo tão isolados e com tão poucas condições. Nesta localidade, eu pude ver os sorrisos mais sinceros, que foi o dessas crianças ao receber um kit de bombons com um brinquedo.

crianças viçosa

O que levar dessa Ação?

É incrível, sempre nós vamos para uma ação empenhados em doar, mas sempre quem ganha mais somos nós. Isso soa até um pouco egoísta e não deixa de ser, mas é exatamente o que acontece.

Confesso que há muito tempo eu não me emocionava tanto em uma ação. Voltando pra casa, pude prceber como somos privilegiados de poder participar de tudo isso. Quantos abraços renovaram nossas esperanças.

Nós sabemos que 2 cestas básicas se acabam em uma ou duas semanas, para uma família de 5 pessoas, por exemplo, mas uma coisa não se acaba para essas famílias: a esperança de um mundo melhor.

A certeza que eu tenho é que o sentimento de Gratidão pode sim mudar esse mundo. Afinal, quando você é grato, você tem sede de mudança, você não se conforma em ver que outras pessoas não tem aquilo que você tem.

A Gratidão não nos deixa inertes, ela mobiliza, ela multiplica outros sentimentos em nós. E só existe gratidão, quando se transforma em ação e é por isso que tudo isso acontece.

“Existe um mundo mágico fora da sua zona de conforto.”

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *